quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Ciclo de Conferências Outeiro do Circo 2017 - 3ª sessão

O Ciclo de Conferências Outeiro do Circo 2017, subordinada ao tema "Grandes povoados da Idade do Bronze no Sudoeste", encerra na próxima 5ª feira dia 24 de Agosto com a apresentação de uma conferência às 21h30 no Núcleo Museológico da Rua do Sembrano em Bja
O conferencista convidado é António Monge Soares, investigador incontornável no estudo da Idade do Bronze no Sudoeste e que nos irá falar sobre um sítio de características únicas dentro dos marcos geográficos e cronológicos em questão, o povoado do Passo Alto (V.V. Ficalho, Serpa).

Passo Alto: um sítio único no contexto dos povoados fortificados do Bronze Final do Sudoeste
António Monge Soares
(Investigador Principal - Aposentado; Centro de Ciências e Tecnologias Nucleares - C2TN; nstituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa )

Resumo
O povoado do Passo Alto, situado na confluência de dois ribeiros, é constituido por dois núcleos separados por cerca de 250 m sem quaisquer vestígios arqueológicos. A cerâmica encontrada, de que se destaca a de ornatos brunidos, bem como a datação por radiocarbono de materiais de vida curta, permitem atribuir-lhe uma cronologia precisa (sécs. X a VIII a.C.) dentro do Bronze Final do Sudoeste Peninsular.
As boas condições naturais de defesa são complementadas por uma muralha na zona de mais fácil acesso ao povoado, constituida por terra calcada misturada com pequenas pedras; seria encimada por uma estrutura de blocos de xisto e madeira que, a certa altura, teria sido incendiada, junto à entrada do povoado, vitrificando os blocos de xisto que entravam na sua constituição. Este troço de muralha foi, então, substituido por um outro, adossado à sua face externa, constituido também por terra calcada misturada com pequenos fragmentos de xisto, alguns vitrificados, revestido na face externa por uma fiada de pedras sobrepostas e, na face interna, por grandes lages e blocos de xisto colocados lado a lado de cutelo. A reforçar este sistema de defesa, existia um pequeno fosso e uma faixa de 30 x 30 m de cavalos-de-frisa, a barrar o corredor de mais fácil acesso ao povoado.
No Sudoeste peninsular são muito raros os povoados que têm muralhas vitrificadas e mais raros ainda os que apresentam cavalos-de-frisa. O paralelo mais próximo para as muralhas vitrificadas, datadas também do Bronze Final, encontra-se no povoado da Misericórdia (Serpa), enquanto cavalos-de-frisa parecem ter existido num povoado (Castillo de las Peñas), na província de Huelva, e talvez em dois ou três da província de Badajoz, mas com uma cronologia posterior.


terça-feira, 22 de agosto de 2017

Balanço "Gestos ancestrais" - Santa Vitória

No passado Sábado, dia 19 de Agosto, a exposição itinerante "Gestos ancestrais - objectos de ontem e de hoje" visitou Santa Vitória, depois de já ter estado em Mombeja.

Num dia marcado pelo imenso calor e com a população de Santa Vitória a resguardar-se para o início das festividades marcadas para o fim da tarde, foi pouco o público que nos visitou no Centro Social de Santa Vitória. No entanto, os apenas 6 entusiastas que tomaram contacto com a exposição demonstraram o seu interesse no tema pelo tempo que demoraram a ouvir as explicações, a partilharem as suas experiências e questões, desde os mais novos aos menos jovens.
No dia anterior não foi possível projectar o documentário de Manuel Monteiro "Outeiro do Circo. o guardião da planície", tal como constava do programa, devido à falta de público, o que nos levará a tentar fazê-lo numa altura mais propícia de modo a dar a conhecer o trabalho desenvolvido no Projecto Outeiro do Circo junto da população de Santa Vitória.

domingo, 20 de agosto de 2017

Documentário Dandelion

Andrea Mendoza estreia o seu novo filme, Dandelion, em Beja. 
Durante 2016, muitas pessoas famosas e infames faleceram. Seriam belas? O que nos terão deixado como herança imaterial? A beleza pode ser aprendida com a história das suas vidas?
Dandelion um filme–documentário que explora a questão da beleza e tudo o que ela abraça, deambulando entre as artes, a dor e as paisagens naturais. Partindo de vários lugares, entre os quais o Alentejo, Andrea Mendoza, através de várias entrevistas e paisagens, convida-nos a indagar o conceito de beleza, a caminhar através do que é belo. 
Esta projecção insere-se nas iniciativas paralelas do Projecto Outeiro do Circo.



sábado, 19 de agosto de 2017

Notas de Campo (2) - Campanha de 2017

A 1ª semana de trabalhos no Outeiro do Circo foi dedicada à apresentação do sítio arqueológico e dos principais objectivos e áreas de actuação do projecto aos novos participantes. No terreno realizaram-se trabalhos preparatórios, incluindo desmatação da área de intervenção, colocação de redes sombras (com a colaboração de trabalhadores da União de Freguesias de Santiago Maior e São João Baptista), topografia, remoção da selagem de 2016 e limpeza das sondagens 7 e 8, que no caso da sondagem 7 implicou maior volume de trabalho devido ao abatimento de alguns cortes. Houve ainda necessidade de proceder ao alargamento da sondagem 7, originalmente com 3 metros x 3 metros para 4 metros x 4 metros.


Nesta semana também se iniciaram os trabalhos de tratamento de materiais que decorrem no Museu Jorge Vieira, cedido para o efeito pela Câmara Municipal de Beja.
No campo das actividades desenvolvidas fora do terreno destaca-se a realização de uma sessão de Brain Storming centrada no caso do povoamento do II milénio no estuário do Guadalquivir, e que decorreu no Centro Social Lidador, a cargo de Rafael Ortiz, colaborador do Projecto Outeiro do Circo desde o seu início.
Nesta semana também se iniciaram as filmagens de um documentário da responsabilidade de Andrea Mendoza, realizadora colombiana, e que contaram com diversas colaborações voluntárias. A produção contou com filmagens no Outeiro do Circo, em Beja e em Mombeja, para além da escolha de outros locais. Brevemente daremos mais pormenores sobre este documentário.
A semana terminou com a projecção de outro documentário, "Outeiro do Circo. O guardião da planície", de Manuel Monteiro, que foi exibido em Mombeja no dia 4 de Agosto e com a realização de uma exposição na mesma localidade no dia 5 de Agosto, dedicada ao tema "Gestos ancestrais. Objectos de ontem e de hoje", acções que contaram com o apoio da União de Freguesias de Santa Vitória e Mombeja.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Ciclo de Conferências Outeiro do Circo 2017 - 2ª sessão

A 2ª sessão do Ciclo de Conferências Outeiro do Circo 2017, subordinada ao tema "Grandes povoados da Idade do Bronze no Sudoeste", irá ter lugar na próxima 5ª feira, dia 17, às 21h30 no Núcleo Museológico da Rua do Sembrano.
O conferencista convidado é Ignacio Pavón Soldevila, da Universidade da Extremadura (Cáceres, Espanha) que irá falar-nos do seu trabalho de investigação realizado sobre o Castillo de Alange em Badajoz.

El cerro del Castillo de Alange (Badajoz, España): un poblado estratégico en la periferia del Bronce del Suroeste
Ignacio Pavón Soldevila
(G. I. PRETAGU. Área de Prehistoria. Universidad de Extremadura)

Resumo
La Provincia de Badajoz fue considerada por H. Schubart a mediados de los años setenta del siglo XX como una zona de expansíon de la "Cultura del Bronce del Suroeste". En esse contexto, el Cerro del Castillo de Alange, poblado en alto cuyo conocimiento reciente arranca desde mediados de los años ochenta, ha constituído un elemento clave para estudiar su secuencia en un espacio norteño y periférico, pero muy personalizado. El objectivo de esta conferencia es plantear un recorrido por la historia de la investigacíon; su tiempo y espacio; las características del assentamiento y el paisaje inmediato; su cultura material, produccíon, consumo y, como conclusíon, las estratégias socio-políticas que los datos disponibles permiten inferir. Finalmente, sugerimos un debate entre los assistentes sobre la diversidade de patrones socio-políticos y económicos dentro del "Bronce del Suroeste".



segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Balanço "Gestos ancestrais" - Mombeja

No passado dia 5 de Agosto esteve patente em Mombeja a exposição "Gestos ancestrais. Objectos de ontem e de hoje", no decorrer das Festas de Santa Susana.
Esta iniciativa pretendia aproximar a comunidade local aos seus antecessores na região, através de uma pequena mostra de artefactos da Idade do Bronze recolhidos nas escavações arqueológicas em curso no Outeiro do Circo, complementada com algumas réplicas e com objectos actuais equivalentes.
Não se pretendeu realizar uma iniciativa estática, mas antes permitir o contacto e manipulação com os objectos e com as práticas do passado que ainda encontram reflexo no mundo contemporâneo.
A mostra contou com 20 visitantes durante o dia, maioritariamente de Mombeja, que não se limitaram a observar, mas antes a partilhar o conhecimento de vivências passadas ligadas ao mundo rural, deixando para os mais novos o sentimento de descoberta de realidades que já lhes são muito afastadas.


No dia anterior, houve oportunidade de exibir o documentário "Outeiro do Circo: o guardião da planície", da autoria de Manuel Monteiro, perante uma audiência de 21 pessoas, o que permitiu um profícuo debate sobre os trabalhos arqueológicos aí desenvolvidos desde 2008.
Nos próximos dias 18 e 19 de Agosto será a vez destas iniciativas visitarem Santa Vitória.
O nosso agradecimento a todos os que marcaram presença e à Câmara Municipal de Beja e à União de Freguesias de Santa Vitória e Mombeja pelo apoio prestado.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Ciclo de Conferências Outeiro do Circo 2017 - 1ª sessão

Após uma iniciativa prévia, concretizada com a sessão de Brain Storming realizada na passada semana para fomentar a discussão sobre o caso do povoamento do II milénio no estuário do Guadalquivir, o Projecto Outeiro do Circo dá início ao Ciclo de Conferências de 2017, amanhã dia 10 de Agosto, com uma apresentação a cargo de Rui Mataloto e centrada nos trabalhos arqueológicos desenvolvidos no povoado da Idade do Bronze de Evoramonte.
A sessão tem início às 21:30 no largo do Núcleo Museológico da Rua do Sembrano, em Beja.

AXIS MUNDI: Evoramonte e o Bronze Final da Serra d`Ossa.
Rui Mataloto
Câmara Municipal de Redondo

Resumo
O Alentejo Central é a região de origem de algumas das mais impressionantes jóias e armas do final Idade do Bronze documentadas em território actualmente português. Contudo, este momento é ainda bastante mal conhecido, contando com um número limitado de intervenções arqueológicas, panorama que, felizmente, se tem vindo a alterar recentemente através de um conjunto de intervenções. Estes novos dados têm permitido confirmar a complexidade das malhas de povoamento que intensos trabalhos de prospecção, desenvolvidos nos últimos 30 anos, têm permitido documentar.
Os grandes povoados de cumeada parecem centralizar e coordenar intensas redes de povoamento, que estruturam amplos territórios organizados em torno das principais linhas de relevo. Um conjunto de datações radiocarbónicas obtidas recentemente tem vindo a dar espessura cronológica a estas malhas de povoamento, alterando substancialmente a perspectiva diacrónica da sua estruturação. A intervenção que temos vindo a dirigir no povoado de Evoramonte tem sido particularmente expressiva neste sentido, evidenciando a emergência das grandes unidades de povoamento bem dentro do IIº milénio aC.
A associação, cada vez mais clara, das maciças jóias áureas centro alentejanas do final da Idade do Bronze, a grandes povoados instalados em destacadas cumeadas favorece a emergência de leituras sociais de forte cariz simbólico-identitário, base para a estruturação das comunidades e dos territórios na transição do IIº para o Iº milénio aC.